quarta-feira, 17 de agosto de 2011

 
 Homero Cavalcante vai montar espetáculo grego Fedra, de Racine


 Grupo Teatral do Cesmac
encena clássico de Racine

Alessandra Vieira

A paixão pecaminosa de Fedra pelo seu enteado Hipólito é o tema da nova montagem do Grupo Teatral do Cesmac. Dirigido por Homero Cavalcante, o espetáculo – baseado na tragédia grega Fedra de Jean Racine – será encenado em novembro. A tragédia em cinco atos, escrita em 1677, passa-se em Trezena, cidade do Peloponeso, e tem como personagens, entre outros, Teseu (filho de Egeu, rei de Atenas), Fedra (mulher de Teseu) e Hipólito (filho de Teseu e de Antíope, rainha das Amazonas).
Para dirigir a peça, Homero Cavalcante foi à Europa, onde assistiu a montagem contemporânea do espetáculo. “Esse meu gosto pelo teatro clássico grego foi o estímulo para eu montar a história de Fedra na versão do francês Racine. Nada mais oportuno que levar aos palcos a condição feminina, a mulher como um ser livre e independente, que é o tema central da peça. Uma temática sempre muito bem abordada pelos clássicos gregos, que, mesmo escritos séculos atrás, continuam atuais”, disse Homero.
“A interação do Cesmac com a sociedade e sua responsabilidade social na formação cultural dos seus alunos é o que leva a instituição a não deixar de medir esforços na sua área de extensão”, disse o professor Amauri Soares Ferreira, coordenador do Núcleo de Extensão e Ação Comunitária do Cesmac. “O objetivo é dar ao alagoano instrumentos que ajudem ao progresso cultural do Estado”, afirmou.

A TRUPE - Formado por estudantes do Cesmac, o grupo vem se destacando no cenário artístico do Estado com montagens de peças célebres, como “O Burguês Fidalgo de Molière”, encenada no ano passado. Este ano, o desafio é levar ao palco a paixão desmedida que o autor, Jean Racine, imprime à sua personagem, ao contar a história da rainha grega que se apaixona pelo enteado e tenta expulsá-lo do reino até a humilhação final de Fedra, que culmina com o seu suicídio.


RACINE - As tragédias de Racine, tensas e sombrias reflexões sobre a paixão e a fatalidade, devolveram ao gênero a austera grandeza que havia perdido e consagraram o autor como um dos maiores poetas e dramaturgos do classicismo francês. Fedra, (foto) obra-prima que atinge o clímax da alma feminina, é considerada um marco na vida do autor. Os personagens de Racine, a maioria inspirados na Grécia antiga, são matizados por uma existência brutal, de crimes, perversidade e tendências mórbidas.